Doenças Oculares mais Comuns na Infância

Doenças Oculares mais Comuns na Infância

Conhece as doenças oculares mais comuns na infância? Se tem filhos pequenos, fique atento a este artigo.

As doenças oculares mais comuns na infância são: miopia, astigmatismo, hipermetropia e estrabismo.

Miopia

A miopia é um problema de visão muito frequente que causa dificuldades em ver nitidamente ao longe. A criança míope vê claramente os objetos próximos, mas objetos distantes ficam turvos.

Este problema tem tendência a aumentar à medida que a criança cresce. O fator hereditário contribui para a prevalência da miopia: 20% a 40% das crianças com um progenitor míope herdam o problema, aumentando para 30% a 60%, com ambos os pais míopes.

Tal como a hipermetropia, a miopia vem muitas vezes acompanhada de astigmatismo e na infância é tratada com o uso de óculos graduados.

Hipermetropia

A hipermetropia consiste na dificuldade em focar imagens perto. Quanto mais perto as imagens se encontrarem, pior. Em graus mais elevados (mais dioptrias) atinge também a visão ao longe.

A hipermetropia dá-se quando o globo ocular é mais curto ou a córnea apresenta uma curvatura reduzida. Isto faz com que a luz que entra nos olhos não é focada de modo correto.

Nas crianças, a hipermetropia tem tendência a melhorar se for corrigida corretamente.

Quando os valores são reduzidos pode não causar dificuldade visual. Contudo, se tiver um grau elevado, ocorre o risco de ambliopia (olho preguiçoso) ou estrabismo. Pode vir ainda acompanhada de astigmatismo.

Se a visão da criança for corretamente corrigida, através do uso de óculos na infância, a hipermetropia apresentará tendência para reduzir.

Estrabismo

O estrabismo infantil consiste na ausência de alinhamento dos olhos (ou desvio) que surge durante a infância. Calcula-se que este problema de visão atinja cerca de 5% das crianças.

Embora não se conheça o que causa o estrabismo infantil, este problema poderá ter origem nos centros de controlo dos movimentos oculares que existem no cérebro.

Quando surge o estrabismo na criança, não haverá queixa por parte da criança. Contudo, o desvio dos olhos para fora (estrabismo divergente), para dentro (estrabismo convergente) ou para cima (estrabismo vertical) é visível.

Até aos seis meses de idade é normal dar-se algum desalinhamento ocular. Após os seis meses de idade, qualquer desvio já não é normal. O estrabismo prejudica o desenvolvimento dos olhos e das estruturas cerebrais responsáveis pela visão e até originar a diminuição da visão de um dos olhos, designada de ambliopia ou “olho preguiçoso”.

No caso de um bebé com menos de seis meses e desvio permanente, o estrabismo deve ser acompanhado por um oftalmologista. O mesmo sucede se após os seis meses o desvio for permanente ou intermitente.

Este problema pode ser tratado com óculos, injeção de toxina botulínica ou cirurgia. Quanto mais cedo é diagnosticado e mais intermitente for este problema de visão na infância, melhor é o prognóstico.

Leve regularmente os mais pequenos ao oftalmologista, na Opticlasse temos os profissionais certos.