Doenças Oculares mais comuns

Doenças Oculares mais comuns

Os nossos olhos são a nossa principal ponte com o mundo exterior, com o mundo que nos rodeia. No entanto, facilmente nos esquecemos deles e de os tratar. Geralmente, apenas lhes damos alguma atenção quando se começam a evidenciar alguns sinais e sintomas de doenças oculares que nos indicam que algo mais se passa.

Nesse sentido, é fundamental visitar regularmente o médico oftalmologista ou realizar, periodicamente, exames visuais para que se possa compreender e avaliar a saúde dos nossos olhos.  

Doeças oculares comuns:

As doenças oculares não são uma condição apenas para algumas pessoas e não escolhem faixas etárias. No entanto, existe uma maior propensão para a aquisição de determinadas patologias em determinados indivíduos, do que noutros. Condições climatéricas, genéticas e questões de higiene, estão muito associadas às questões oculares.

Alergias oculares

Trata-se de uma inflamação causada devido à resposta do sistema imunitário, aquando da presença de determinada substância, que o organismo identifica com perigosa. Os alergénios podem ser de variados tipos e manifestam-se de maneiras diferentes de pessoa para pessoa.

Causas – exposição a alergénios. Esta exposição vai desencadear no organismo uma reação alérgica que se manifesta com a inflamação ocular.

Tratamento – nestes casos, os tratamento passa por aliviar os sintomas, procedendo à aplicação de um tratamento tópico em casos simples, que consiste na aplicação de lágrimas artificiais, gotas e pomadas oculares. Em casos mais graves, deve recorrer-se a uma terapêutica sistémica. É importante reforçar que nestes casos deve recorrer-se ao oftalmologista para que este possa analisar e avaliar o caso, e ajudar na própria prevenção de futuras crises.

Ambliopia

Diminuição da acuidade visual, podendo esta ser uni ou bilateral. Esta doença é derivada a um deficiente desenvolvimento da visão binocular, onde ocorre um erro refrativo não corrigido. Esta patologia, quando não identificada e tratada corretamente na infância, pode derivar para estrabismo.

Causas – erro que ocorre ao nível da refração dos olhos, quer seja em ambos ou apenas num. A imagem que um olho observa é diferente do outros.

Tratamento – tendo em conta que se trata de um défice ocorrido no próprio desenvolvimento do olho, é primordial que haja um acompanhamento oftalmológico no período da infância (até 2 anos). O tratamento nestes casos passa pela correção com óculos, ortóptica, penalizações ou, até mesmo, por cirurgias.

Astigmatismo

Alteração da córnea ao nível dos eixos da sua curvatura. Os objetos são focados em dois pontos diferentes da retina, provocando assim uma visão desfocada.

Causas – os fatores condicionantes para esta doença são questões genéticas, trauma ocular ou após o nascimento.

Tratamento – nestes casos opta-se pelo uso de lentes oftalmológicas cilíndricas ou recorre-se a cirurgias refrativas, em casos graves.

Blefarite

Inflamação persistente das pálpebras. Esta é uma inflamação bastante comum, de caráter, geralmente, crónico e cíclico. Geralmente, afeta pessoas com tipos de pele com oleosidade e caspa (seborreica), produzindo secura ocular.

Causas – o seu aparecimento pode ter origem infecciosa ou não infecciosa. As infecciosas são causadas pela presença de bactérias, vírus ou até parasitas, ligadas à seborreia.

Tratamento – é importante que se adotem medidas preventivas e que se realize uma boa higienização destas zonas. Caso se o médico oftalmologista verifique a sua necessidade, recorre-se à utilização de pomadas com antibiótico e lágrimas artificiais.

Catarata

Opacidade total ou parcial do cristalino, que é a lente natural da lente natural do globo ocular. Esta provoca uma baixa acuidade visual, acompanhada por alteração das cores, ficando estas desvanecidas, assim como visão desfocada.

Causas – está muito associada ao envelhecimento do próprio olho, assim como da exposição à luz que foi sendo sujeito ao longo dos anos.

Tratamento – remoção cristalino através de procedimentos cirúrgicos e substituição por uma lente intraocular.

Conjuntivite

Doença ocular caracterizada pela inflamação da conjuntiva, um membrana transparente que recobre o globo ocular, assim como a parte interna da pálpebra. Este tipo de patologia pode ser de caráter agudo recorrente e crónico, ou de carácter infeccioso.

Causas – estas podem ter origem infecciosa, causada por vírus, bactérias, fungos ou, bem como, parasitas. As não infecciosas são originadas por alergias, ações mecânicas ou até mesmo por comportamentos mais invasivos.

Tratamento –  geralmente, as conjuntivites tendem a passar naturalmente, sem que seja necessária a intervenção de algum tipo de fármaco. No entanto, deve recorrer-se à utilização de soro fisiológico para aliviar os sintomas e proceder à limpeza dos olhos com frequência. Caso seja necessário, deve recorrer-se a  colírios lubrificantes e lágrimas artificiais.

Hipermetropia

Deficiencia visual no globo ocular, em que a imagem visual formada é projetada por de trás da retina.

Causas – geralmente, tem origem tem origem congénita.

Tratamento – neste tipo de condição é necessário recorrer à utilização de lentes oftalmológicas, ou proceder a um cirurgia a laser.

Miopia

Trata-se de um erro de refração que condiciona a visão de longe. A imagem visual à frente da retina. Esta dificuldade visual apresenta três patamares: simples, média e patológica.

Causas – geralmente, este tipo de casos têm origem genética.

Tratamento – é necessário recorrer à utilização de lentes oftalmológicas ou proceder a um cirurgia a laser.

Para poder avaliar a condição e a saúde dos seus olhos é imprescindível que recorra a ajuda de um profissional da área, que realize exames oculares e que cuide da higiene dos mesmos. É extremamente importante que nunca tome medidas que o possam prejudicar, como é o caso da automedicação. Procure sempre ajuda!